Novas categorias são incluídas nos grupos prioritários para vacinação contra COVID-19

27/01/2021 10:56:00 - Atualizado em 27/01/2021 10:56:42

 

A segunda versão do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra COVID-19 foi publicada pelo Ministério da Saúde trazendo modificações nos grupos prioritários. Agora, serão incluídos na categoria trabalhadores industriais e portuários para o recebimento do imunizante.

A primeira versão do plano teve sua divulgação em dezembro de 2020 e, com o acréscimo desses novos setores que anteriormente totalizavam 5,4 milhões de pessoas, o total do público prioritário subiu para 77,2 milhões.

Os demais segmentos foram mantidos, havendo apenas uma alteração na ordem. Idosos e pessoas acima de 18 anos que apresentarem alguma deficiência ou mais em instituições de longa permanência, bem como indígenas aldeados são citados em primeiro lugar, seguidos dos trabalhadores de saúde, pessoas com mais de 75 anos e povos e comunidades tradicionais ribeirinhas e quilombolas.

Após esses primeiros grupos, serão vacinados idosos de 60 a 64 anos, pessoas com comorbidades, pessoas com deficiência permanente grave, moradores de rua, população privada de liberdade e funcionários dessas instituições, trabalhadores da educação do ensino básico e superior, forças de segurança e armadas.

Já haviam sido incluídos trabalhadores do transporte, abarcando empregados do transporte público de coletivos, linhas aéreas e transporte metroviário, rodoviário e aquaviário.

As comorbidades consideradas para os públicos prioritários são diabetes, pneumopatias graves, hipertensão arterial resistente e de estágios 1, 2 ou 3, insuficiência cardíaca, hipertensão pulmonar, cardiopatia hipertensiva, síndromes coronarianas, arritmias cardíacas, cardiopatias congênitas, doenças cerebrovasculares, doenças renais crônicas, anemia falciforme, obesidade mórbida e síndrome de down.

A estimativa populacional para a Campanha Nacional de Vacinação contra COVID-19 pode ser conferida abaixo.

Fonte: Agência Brasil | Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil


Coisas de mãe
mundial