Moradia Estudantil da UFSJ passará por primeira revitalização em março

17/02/2021 15:28:00 - Atualizado em 17/02/2021 15:28:22

 

Em busca de aumentar a segurança e o conforto nas instalações, a Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) realizará a revitalização da Moradia Estudantil do Campus Tancredo Neves (CTAN). A obra, que terá início em março, será a primeira desde sua inauguração.

A pró-reitora de Administração, Fernanda Resende, afirmou que o prédio inaugurado em 2012 está com diversos impasses. "Desde sua inauguração, há nove anos, o prédio não passou por nenhum ajuste ou melhoramento. A Moradia apresenta diversos problemas, como vazamento na cobertura central, telhas quebradas, pintura mofada, descolamento de pisos cerâmicos, infiltrações nos banheiros", enumera.

O chefe do Setor de Alimentação e Moradia da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (Samor/Proae), Bruno Carvalho Gonzaga, a moradia tem sido alvo de constantes reclamações por parte dos estudantes que lá residem, principalmente por causa do telhado e do mofo de alguns apartamentos, que afeta os residentes alérgicos.

O projeto inclui a instalação de uma central de gás na área externa do prédio, que vai servir a todos os apartamentos, controlando o risco de acidentes com botijões. Além disso, será construída uma guarita com cancelas na entrada do prédio e também serão instalados um sistema anti-incêndio e haverá o cercamento em alambrado em torno de toda edificação. Será construída também uma rotatória em frente ao edifício, favorecendo a circulação de veículos.

A pintura das áreas interna e externa, para combater o mofo, e a impermeabilização dos banheiros, para resolver as infiltrações, também estão garantidas. As telhas da cobertura serão igualmente substituídas, resolvendo o problema de vazamento e aquecimento.

Licitada em dezembro, a reforma acontecerá pela empresa VS Engenharia & Projetos Ltda com um valor total do contrato de R$555 mil. A realização da obra, com recursos próprios, se deve ao remanejamento, pela UFSJ, de parte de seu orçamento de custeio, não-executado em decorrência da pandemia.

Para a execução, recursos de custeio foram remanejados do orçamento da UFSJ, os quais não foram executados durante o ano. Entre esses, estão incluídos itens diversos indispensáveis ao funcionamento da Universidade, como contas de luz, água, telefone, e também diárias e passagens aéreas. De acordo com o pró-reitor, professor Renato da Silva Vieira, foi realizado, com um aval da Reitoria, um levantamento das "economias" que a UFSJ faria com os campi fechados. “Feito o cálculo, conseguimos autorização da Secretaria de Planejamento e Orçamento do MEC e conseguimos realocar as verbas do custeio em obras e reformas que realizaremos neste ano”, explicou.

Foto: UFSJ

Por Isabella Paolucci com informações da UFSJ


Coisas de mãe
mundial