O ontem e o amanhã

22/12/2019 08:00:34 - Atualizado em 22/12/2019 10:00:34
Por: Áurea Vasconcelos Grossi [caption id="attachment_39463" align="alignnone" width="678"] Foto: Arquivo.[/caption] Gostaria que esta fosse uma página bem especial...  Afinal, trata-se de um “farewell” – um definitivo adeus a 2019! Dentro de poucos dias, cruzaremos os marcos do calendário e já estaremos em uma nova década! Optei por entregá-la ao acaso, à nossa tendência em reconhecer o que deixamos pelo caminho e o que levamos conosco nesta travessia. Tudo dependerá do olhar que teremos para estes dois mundos: o ontem e o amanhã! Neles encontraremos cenários ricos em simbologia, sentimentos inusitados e a relatividade do tempo. Serão ideias, imagens, reflexões que virão por si mesmas... No ontem, buscamos a coerência dos fatos que foram surgindo dos muitos enfrentamentos diários. A vida pública, que até então, era um tanto estagnada em moldes de profunda hipocrisia, foi marcada pela maior reviravolta política já vivida nos últimos anos. Os comandos foram trocados permitindo a desconstrução de antigas estruturas, afastando as poeiras deixadas por desabonadores princípios... Uma sonhada transformação! Ainda não totalmente concretizada, mas, já despontando nos horizontes, com ares de competência... Estivemos face a face com a natureza, hostilizada naquilo que ela tem de melhor: a sua essência refletida em beleza e acolhimento. Num total desequilíbrio, o fogo e o óleo se apoderaram das lindas paisagens naturais. Atônitos, assistimos a voracidade das chamas consumindo o verde. Incrédulos, vímos a viscosidade do petróleo manchar as mais belas praias brasileiras, comprometendo o verão! Em ambas as situações, ausência de regras. Alienação. Sob a determinação de alguém que não se sabe quem é, nem tão pouco, por que razão... Permanece a incógnita! Orgulhosos, os católicos celebraram a inclusão de Santa Dulce dos Pobres no Catálogo de Santos. A mais alta honraria destinada pela Igreja a seus mártires ou pessoas que exerceram, num grau heróico, as virtudes da fé, da caridade e da humildade. Baiana arretada, nem seria preciso tamanha formalidade para atingir a santidade. Ela se fez Santa por si só, no dia a dia, praticando intensamente o mais bonito mandamento cristão - o sentido de amor ao próximo! Claro que o amor esteve no ar e sempre estará. Mas o desamor também vem se impondo numa deplorável frequência! Temos assistido uma inversão no comportamento afetivo. Os toques amorosos têm sido trocados por bárbaras crueldades permitidas por carências e submissões. É o feminicídio alimentando estatísticas... Quatro cores comandaram emoções singulares. Vermelho e preto. Azul e branco. Alegrias e tristezas. Sorrisos e lágrimas. O coração foi o juiz absoluto desta empreitada. Flamenguistas e cruzeirenses o sabem muito bem. Entre dribles, chutes, escanteios e gols, a bola impôs o seu próprio ritmo, regendo situações tão antagônicas... Presenciamos a contínua e vertiginosa escalada do mundo cibernético. O que, com certeza, não mais se deterá... A vida virtual é desafiadora. A cada segundo, novidades vão surgindo... Um tanto assustador para o entendimento daqueles que já venceram boa parte do caminho mas muito natural, para os que estão iniciando a caminhada... E o amanhã? Já estamos às portas de um novo ciclo... Pressinto alguns movimentos sutis de inquietação. Talvez porque se trata do futuro... Mas logo, logo, a alma sossega ao se lembrar de que na bagagem há, certamente, mais experiência, muita esperança e muito desejo de conquistar, para sempre, a tal da felicidade... Com o ontem aprendemos que a vida não é impecável. Mesmo entre benesses, tem lá suas fragilidades. O importante é cultivar a tolerância e a sabedoria que nos ensinam a ser pessoas de bem, dignas e conscientes de nossas responsabilidades... a não deixar que os desafios nos abatam e sim, nos abasteçam com novas e vigorosas energias... a colocar um decisivo ponto final em tudo que não mais nos convém... a fazer boas escolhas, cultivando a leveza, as amizades sinceras, numa abertura ao afeto e à lealdade... Simples assim! Tão simples como o segredo revelado por Cora Coralina, quando magistralmente afirma: “não sei se a vida é curta ou longa demais para nós. Mas sei que nada do que vivemos tem sentido se não tocarmos o coração das pessoas!”             Que Deus nos abençoe, a todos.  Um FELIZ NATAL e um ANO NOVO PLENO DE GRAÇAS! Contato: aurea.grossi@gmail.com

Livro Rossi
Agencia Qu4tro