Leitura do dia: Amor nos tempos do Coronavírus

 

Por Carla Cruz

 

E foi nos mesmo tempos dessa tal pandemia

Que fui cantar oculta a outra melodia

Até meu peito errante vir explodir de dor.

Dei um suspiro arfante – gemeu alguém que sofre:

O coração batendo: um toc-cof-cof

Achei ser o Corona. Mas era só o amor.

Logo eu que, invicta, sobrevivi a tudo:

À tal “Vaca Louca”… dancei no fim do mundo

Até a Chikungunya adormecer em abril.

O H1N1 aqui fez vista grossa

E nem mesmo a dengue me deixou “dengosa”

Estou aqui orando: que seja fake news!

Queria um álcool em gel para o meu coração

Quem sabe seja a imunização

Não mais o nome dele (a quem peito suspira)

Volteando o cantar do meu verso passado

Me parece na alma vírus comunitário:

Aquele que se foi. Mas que em mim habita.

Banner Grande Podologia 1
Banner Aplicação

Os comentários estão desativados.