Toda forma de amor

01/12/2020 09:53:00 - Atualizado em 01/12/2020 10:28:07

 

 

Por Dra. Luciana Limoeiro.

Dra. Nádia Meneses: “Você significa muito na minha vida, na vida de centenas de mães e na vida de meninas sofridas que sonham em virar borboleta como você.

Sua vida é uma obra literária que o hospital inteiro vai ler.

Obrigada Dra. Nádia Meneses e Farliene Aline (a senhora Meneses), nossa futura dentista.”

Acredito que Barbacena ganhou o título de cidade das rosas, justamente por abrigar MULHERES tão valentes, que conquistam seu espaço em nosso solo fértil e florescem, inspirando centenas de MENINAS, que poderão no futuro trazer vidas como a Dra. Nádia Meneses.

 

DIREITO DE FAMÍLIA E A HISTÓRIA DA MÉDICA CAPIXABA, DRA. NÁDIA MENESES

 

A primeira médica da família, iniciou sua jornada acadêmica em La Paz (Bolivia : Universidad Mayor de San Andrés), porém, chega uma hora que a saudade de casa é mais forte, e como já dizia o poeta: “O bom filho à casa torna”. Nádia voltou para o Brasil e concluiu o curso de medicina em Vassouras, cidade situada à 221 Km de Barbacena.

Parece um sonho, mas não é!

O objetivo da minha coluna é explicar para você leitor, que o direito de família está em tudooooooo.....

Por isso, hoje vou ingressar com uma ação linda e contar essa história de superação, em forma de petição.

 

A história de vida da Dra. Nádia Meneses

 

Aos leitores da “coluna O Direito é Família”, comarca de Barbacena-MG.

 

Nádia Meneses, brasileira, casada, médica, barbacenense de coração, vem de forma muito respeitosa, contar para vocês sua história de vida e superação.

A nossa Constituição Federal/88, traduz que “Art. 5°- Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, À LIBERDADE, À IGUALDADE, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes.

Parece um sonho mas não é!

DOS FATOS

1- A primeira médica da família, iniciou sua jornada acadêmica em La Paz (Bolivia : Universidad Mayor de San Andrés), porém, chega uma hora que a saudade de casa é mais forte, e como já dizia o poeta: “O bom filho à casa torna”. Nádia voltou para o Brasil e concluiu o curso de medicina em Vassouras, cidade situada à 221 Km de Barbacena.

2- Durante a residência de ginecologia e obstetrícia, começou a dar plantões em Barbacena , no antigo PA próximo à Praça do Globo e quando concluiu a residência recebeu uma proposta de trabalho aqui e acabou adotando Barbacena como MINHA CIDADE DO CORAÇÃO (palavras de Nádia).

 

DO DIREITO

A paixão pela profissão, despertou em Nádia a vontade de ser mãe, de unir-se matrimonialmente e formar sua família construída pelos laços afetivos, longe de qualquer preconceito e com muita união.

Art. 1.626 do Código Civil- “A adoção atribui a situação de filho ao adotado, desligando-o de qualquer vínculo com os pais e parentes consangüíneos, salvo quanto aos impedimentos para o casamento.”

A legislação brasileira está em constante evolução, sempre a vida da sociedade, neste sentido, hoje em dia o vínculo sanguíneo não sobrepõe os laços de afetividade.

Art. 227/CF- § 6ºOs filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação.”

 

Nádia é mãe de João Gabriel Meneses de moura (8 anos), Claudia Terezinha de Moura Meneses (13 anos) e com o casamento a família cresceu com a chegada do irmãozinho Miguel Alberto Rosa Machado, formando atualmente um arranjo familiar mosaico.

 

 

 

 

 

O CASAMENTO

 

Art. 226 da CF/88.A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.

 

O casamento de Nádia e Farliene ocorreu aqui, na cidade das rosas. Elas contam entre risos e troca de olhares que: “foi de repente, o cartório ligou e informou que a cerimônia iria acontecer naquela semana, a sorte que já tínhamos comprado os vestidos. “

 

 

PRECONCEITO

 

NÁDIA RELATA QUE SENTIU NA PELE O PRECONCEITO, mas que ela nunca se apegou ao vitimismo, porque tudo dependeria da sua luta diária, que foi feita com tamanha maestria.

Nossa médica, atuante na área de ginecologia e obstetrícia já não consegue contabilizar quantos bebês trouxe ao mundo e fala com alegria: “muitos cresceram, são adultos hoje em dia.”

 

E por falar em união, vamos apimentar essa conversa.

 

PERGUNTAS E RESPOSTAS

 

Luciana Limoeiro: Dra. Nádia e Farliene, contem para o Folha de Barbacena, como vocês se conheceram e quem tomou a iniciativa?

Farliene e Nádia: Nos conhecemos no hospital, a iniciativa foi da Fafá (Farliene), que ganhou meu coração no primeiro beijo (relata Nádia).

Luciana Limoeiro: Dra. Nádia, se você pudesse fazer uma ligação para si mesmo quando criança, o que falaria?

Dra. Nádia Meneses: “Eu diria: faça tudo novamente, tenha coragem, pois só depende de você.”

Nascida em Baixo Gandu- Espírito Santo, Nádia teve uma infância de sonhos e desafios. De família simples, a garotinha destemida disse: vou ser médica!

 

DOS PEDIDOS

 

Por todo o exposto, requer:

a) Respeito

A sociedade sonha com um país livre de preconceito, mas isso, dependerá do povo brasileiro em fazer cumprir o que rege a nossa Constituição Federal.

Art. 3º da CF/88-

“Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

   I -  construir uma sociedade livre, justa e solidária;

IV -  promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.”

 

 

     Caro leitor, não tenho medo de lutar por seus objetivos.

Construa sua muralha com todas as pedras que encontrar no caminho, pois assim, você poderá viver no mesmo castelo de paz que hoje vivem Nádia, Farliene e seus três filhos. Uma família detentora de direitos e amplamente protegida por nossa legislação brasileira.

E a gente vai à luta

        E conhece a dor

        Consideramos justa

        TODA FORMA DE AMOR....

 

Entrevista realizada no dia 04 de novembro de 2020.

A entrevista completa você poderá conferir no canal do youtube, “O Direito é Família- Dra. Luciana Limoeiro”

Link: https://www.youtube.com/channel/UCBTpeL-D-vuX9cK9LFTeBGw

 

MATERNIDADE SOCIAFETIVA

 

Os laços de afetividade desenvolvidos ao longo da vida e fruto da união de Sônia Lemuchi e José Francisco Amaral, estabeleceram o vínculo da maternidade socioafetiva entre Sônia, Aline Amaral e Amanda Amaral.

A família construída pelos laços afetivos é conhecida na região, pois são proprietários do conhecido restaurante e pousada “Parada Olhos D’água”, situado em Santa Bárbara do Tugúrio-MG.

Seguindo os passos da Dra. Nádia Meneses, Aline se formará em 14/12/2020 no curso de medicina.

 

 

Agradecimentos de Aline Amaral: “Me tornar médica é a recompensa final de poder agradecer 4 pessoas em especial. Ao meu pai José Francisco, por me proporcionar a realização desse sonho, por estar sempre comigo. Sua confiança nesses seis anos foi essencial. A minha mãezona Sônia, que entrou nessa comigo, me ensinou o melhor caminho e sempre me impulsionou a ser mais. Sônia, obrigada por ser meu porto seguro. Agradeço minha irmã Amanda, que é minha melhor amiga e está sempre ao meu lado me dando apoio. A minha mãe biológica (Denise), que hoje mora no céu, quero dizer: Mamãe, a vitória é nossa!”

 

 

 

Equipe:

 

Colunista: Dra. Luciana Limoeiro- Advogada das Famílias (@lulimoeiro)

Fotografia: Rosana Daniela (@mrgfotografia)

Editor de imagens: Fábio Castelo (@fabiocastelooficial)

Revisor: Thiago Rossi (@thiagodsrossi)

 

 

DIREITO É FAMÍLIA
DIREITO É FAMÍLIA

Dra. Luciana Campos Limoeiro é graduada na Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC), pós-graduanda em Direito de Família, com atuações voltadas para a positivação do dever alimentar, guarda, alienação parental e divórcio.

Ver Publicações


Livro Rossi
mundial