A dor da rejeição

01/06/2021 10:57:00 - Atualizado em 01/06/2021 11:16:49

 

Olá pessoas, como vocês estão? Espero que estejam bem. Hoje eu trago um tema que machuca, dói de verdade e dói profundamente em cada um de nós. O famoso sentimento de rejeição.

Para que este artigo seja proveitoso e traga muitas reflexões sobre o tema, irei focar na rejeição causada pela paixão. Sim, existem rejeições em diversas outras áreas das nossas vidas, mas como meu objetivo nesta coluna é ser o mais breve e objetivo possível, e como a rejeição amorosa é a mais comum em nossas vidas, numa outra oportunidade poderemos abordar os outros diferentes tipos de rejeição.

Meu foco neste breve artigo é mostrar alguns pontos que te levem a encontrar dentro de você uma forma de equilíbrio que te ajude a entender, lidar e superar a dor da rejeição e suas consequências.

Fiz uma pesquisa no meu instagram semana passada sobre o tema, e das 129 pessoas que responderam, apenas uma delas nunca se sentiu rejeitada. Mas o sentimento de rejeição é um dos mais comuns em nossa vida.

Em algum momento iremos nos sentir rejeitados, seja amorosamente ou por um outro motivo, pois somos seres sociais, geneticamente programados para ser aceitos em sociedade e fazer parte de algo maior do que apenas a nossa própria unicidade neste mundo.

Porém, ser aceito e amado dentro de uma sociedade não é um processo tão simples quanto parece, todos sabemos disso pelas nossas próprias experiências. Estamos a todo momento correndo o risco de rejeitar e sermos rejeitados de alguma forma, seja pela maneira como somos, pelas nossas escolhas, condições sociais entre inúmeras possibilidades existentes.

E se geneticamente somos projetados para sermos socialmente aceitos, por outro lado a nossa mente entende a rejeição como uma tremenda causa de dor emocional.

Essa dor tem explicações científicas fundamentadas por diversos estudos de vários neurocientistas pelo mundo, que comprovaram que a dor da rejeição é entendida exatamente da mesma forma que a dor física pelo nosso cérebro, ou seja, ser rejeitado por alguém causa uma dor semelhante à de quando batemos o dedinho do pé na quina da cama por exemplo.

Porém, com o agravante de ser uma dor interna, intensa, constante e à qual não tem remédios que alivie essa dor de forma momentânea.

Bom, isso acontece porque a área do cérebro que é ativada ao sentirmos dor física é a mesma ativada ao sentirmos a dor da rejeição ou de um amor perdido, por exemplo.

Então já temos duas condições fisiológicas que nos colocam propensos a vivermos diversas rejeições em nossa vida, a de sermos programados para ser aceitos socialmente e a condição do entendimento pela mente da dor de ser rejeitado como sendo algo fisicamente real.

Mas calma, isso não quer dizer que não existem soluções para lidar com a rejeição, ela existe, e uma delas seria a busca pelo tratamento psicológico com profissionais capacitados, mas como esta não é minha área, recomendo caso seja do seu interesse buscar um profissional, mas vamos a alguns pontos para concluirmos nosso artigo.

Bem, a rejeição pode estar ligada a diversos fatores como a maneira que fomos criados por nossos pais ou pelas experiências negativas vividas. O próprio bullying é um dos geradores da rejeição nos dias atuais. Também preciso citar o excesso de expectativas que criamos.

Quando iniciamos uma relação, nossa tendência é de nos adaptarmos às expectativas do outro; isso é causado por inúmeros fatores, mas principalmente pelo medo da rejeição.

Mas e aí, como superar não só o medo de sermos rejeitados como a própria dor da rejeição? Vamos a alguns pontos que podem ajudar.

Quando somos rejeitados temos a tendência de nos compararmos com os outros, seja com o ex, com o atual, enfim, a comparação virá a sua mente. Saiba que você é única(o) e que o fato de não ter sido aceita(o) pela pessoa que se gosta, não necessariamente está ligado às características de outra pessoa ou até mesmo as suas, pode simplesmente ser algo interno da pessoa pela qual você sofre.

Aprenda a se valorizar. Esse é um ponto importante na recuperação não só da sua autoestima como também da recuperação de uma rejeição. Saber reconhecer suas qualidades, seus pontos fortes, não é somente essencial para uma maior consciência de vida, mas também como uma das maiores armas contra a rejeição, uma vez que você aprende a se amar e sabe quem é. Abro um espaço muito importante aqui para alertar: Gente, não caiam na modinha do amor próprio, aquele em que se tem o Eu a qualquer custo, depois o outro. Não existe amor próprio sem empatia ao próximo, amor próprio sem empatia chama-se egocentrismo.

Aceite que a vida é insegura, instável e mutável a todo instante. E que milhares de fatores não dependem ou não estão sob nosso controle. Saber entender isso ajuda muito a aliviar a dor de uma rejeição ou até mesmo das dificuldades vividas.

Bom, pessoas, acredito que de forma muito resumida eu tenha trago alguns pontos para serem refletidos, mas deixo aqui como meu compromisso com você, de pedir que questione e veja se o que foi dito aqui de alguma forma faz sentido pra você, se te ajuda e saiba que não existem verdades absolutas.

Os pontos abordados aqui podem te ajudar a lidar melhor com a rejeição de um amor, porém, sabemos que o tempo e muitas doses de autoconhecimento, reflexões e aceitação é necessária para que possamos superar tal dor emocional.

Caso você não esteja conseguindo lidar com essa questão sozinha(o), procure um profissional qualificado para te ajudar. Não é vergonha nenhuma buscar ser melhor a cada dia.

Um grande abraço e que possamos nos blindar cada vez mais das rejeições e dores do mundo.

Deixo meu instagram pessoal aberto para todos que queiram um contato mais próximo comigo, ou desejarem enviar temas para esta coluna. Segue meu Insta: @joaopaulocout0

João Paulo Couto
João Paulo Couto

Um intenso aprendiz da vida. Autodidata desde o ano de 1998, o que permitiu com que chegasse a mais de vinte áreas de estudos diferentes, criando desta forma uma teia de habilidades conectadas em diversas áreas do conhecimento e categorias profissionais. Intenso e profundo, busca entender os porquês da vida. Costuma dizer que cada pessoa é um pequeno universo em constante expansão. Seja bem-vindo ao universo de João Paulo Couto.

Ver Publicações


Coisas de mãe
Festival de musica