Reconheça o seu valor

30/04/2021 16:44:00 - Atualizado em 30/04/2021 16:44:26

 

Olá pessoas, hoje estou aqui para trazer algumas reflexões sobre um processo muito complicado, mas que todos nós passaremos um dia. O processo de reconhecer o seu valor.

Somos condicionados de forma inconsciente a criar o nosso valor de acordo com o mundo e as pessoas que nos cercam, fazendo das nossas experiências e opiniões alheias a base desse nosso reconhecimento.

Você está notando como essa base de valor próprio é construída e percebida por nós através de fatores externos e não internos?

Esse é o perigo, pois assim que você baseia seu valor no que está fora e não no que está dentro de você, cria-se uma falsa percepção da realidade. Um exemplo: Se tivermos experiências negativas, nosso valor se torna baixo; se tivermos experiências positivas, tendemos a nos elevar quanto ao nosso valor, porém, esse valor é baseado na experiência que você está vivendo e não em você mesmo.

Vamos supor que você começa a se relacionar com uma pessoa que, na sua visão, tem um alto valor percebido, isso vai elevar o seu valor na sua mente, porém, quando essa relação acaba, seu valor vai lá no chão.

Notou como a base de auto valor desta pessoa é baseada no mundo externo, nas pessoas e em suas condições atuais e não nela mesma? E como inverter isso?

Bom, é preciso um processo de autoanalise quanto a quem você é, e não quanto ao que você percebe e entende como realidade, afinal uma frase que gosto muito é “a mente, mente”!

E como diferenciar isso? Primeiro entender que sua posição no mundo é variável, você não é uma pessoa rica, você está numa condição de vida rica, o que pode mudar a qualquer momento. Assim também é para as nossas emoções e nosso intelecto. Você não é uma pessoa que não sabe inglês, você é uma pessoa que no “momento atual” não sabe inglês. Você não é uma pessoa tímida, você é uma pessoa que não aprendeu ainda os meios de socializar sem perder sua essência.

E segundo, entender que o que as pessoas pensam ao seu respeito é uma projeção mental das percepções que elas tiveram e tem de acordo com as experiências e informações relacionadas a você. O que não determina a realidade de quem você é.

Quando você começa esse processo de perceber quem você se tornou neste momento, quais são suas qualidades, suas fraquezas, qual é a sua posição diante do mundo, das coisas e das pessoas, você começa a perceber sua real dimensão, e vai chegando à conclusão que ela não tem nada a ver com o mundo físico ou pessoas, e sim com sua essência.

E quando você começa a construir sua vida a partir da essência vai experimentar uma liberdade jamais imaginada, mas não aquela liberdade que depende do outro ou das coisas do mundo, e sim uma liberdade de ser e sentir quem é, de saber seu valor diante das pessoas, do mundo, das situações.

Vai começar a determinar linhas que não devem ser ultrapassadas criando desta forma uma ponte entre o reconhecimento do seu valor com o início do caminho para o amor próprio.

Tema do nosso próximo artigo. Uma ótima reflexão a todos e um ótimo final de semana. Se quiserem um contato mais próximo me sigam no Instagram: @joaopaulocout0.

João Paulo Couto
João Paulo Couto

Um intenso aprendiz da vida. Autodidata desde o ano de 1998, o que permitiu com que chegasse a mais de vinte áreas de estudos diferentes, criando desta forma uma teia de habilidades conectadas em diversas áreas do conhecimento e categorias profissionais. Intenso e profundo, busca entender os porquês da vida. Costuma dizer que cada pessoa é um pequeno universo em constante expansão. Seja bem-vindo ao universo de João Paulo Couto.

Ver Publicações


Coisas de mãe
Festival de musica