O início da imprensa escrita em Barbacena

29/07/2020 16:14:00 - Atualizado em 29/07/2020 16:25:28

 

Por Guilherme Oliveira.

O percursor histórico do jornalismo barbacenense, teve sua primeira publicação direcionada à população de Barbacena ocorrida em 1748. Por meio do relato de Augusto de Lima Júnior, trouxe notícia daquilo que seria a primeira forma de comunicação em larga escala na cidade, 49 anos após o estabelecimento de Garcia Rodrigues Paes na região da Borda do Campo, local de surgimento da nobre e leal cidade de Barbacena. Foi afixado um edital convocando os moradores a se interarem sobre a matéria. Não se sabe qual local o edital teria sido afixado, mas considerando os dados vê-se que o texto era de acesso público.

O jornalismo regional apontou um papel estratégico da proximidade entre emissor e receptor, o que elevou a importância da imprensa regional, a qual assumiu a tendência de um discurso mais voltado para notícias sobre uma área geográfica delimitada e restrita. O ponto defendido pelo autor foi a necessidade de se informar sobre o mundo a nossa volta, além das notícias locais distantes da realidade de pessoa. Tais aspectos podem ser percebidos no jornalismo produzido em Barbacena, tendo em vista que a realidade regional foi transformada pelo exercício da imprensa, bem como o fato das elites locais sustentarem a produção de notícias.

No período regencial e do império, surge o primeiro jornal de Barbacena, 13 anos após o periódico pioneiro em Minas Gerais, (0 Compilador Mineiro) "O Parahybuna", de 14 de maio de 1836, era redigido pelo padre Justiniano da Cunha Pereira e possuía fortes ligações com Bernardo Pereira de Vasconcelos, uma das maiores lideranças do Império. O jornal seguia uma linha contra a Regência de Feijó.

Já na década de 90, cinco novos periódicos são constituídos em Barbacena : O Sesquicentenário, Folha de Barbacena, Último Ano, O Guardião e A Gazeta Comercial. Em 1993, nasce o Barbacena, o Diário Oficial do Município, bem como Jornal de Sábado, de Paulo Emílio Gonçalves, que substitui o Cidade de Barbacena, o Jornal de Sábado começou como um opositor a Hélio Costa e, anos mais tarde, acabou sendo financiado pelo ex-senador. Em 1995, Hélio Costa e Ruth Esteves lançam o Jornal da Cidade. A primeira revista virtual de Barbacena, a Net@Rosas é criada em 1998. A revista Mineirice surge um ano depois. Em1968, começa a circular  o Jornal do Poste barbacenense, que era uma filial da mesma publicação de São João del-Rei, fundada por João Lobosque. Em  2004,  é lançado o Tribuna de Barbacena, de Leonardo Soltz, em 2005, é criado Folha de Negócios, que inicialmente era gratuito, em 2008, são publicados o Transparência, um jornal gratuito com caráter fiscalizador dos atos políticos, e o Expresso, de Diego Cobucci e Messias Thomaz. Em 2009, surge o Nova Mídia, em 2010, nasce a edição barbacenense da revista Viva, de São João del-Rei, em 2011, é lançada a revista Sim Magazine, em 2012, às vésperas da campanha eleitoral municipal, surge o Praça Pública.

Barbacena, durante toda a sua história, mostrou-se de uma grande riqueza de periódicos, de órgãos de comunicação como nos grandes momentos de sua história em geral. Algo que auxilia bastante o estudo sobre a história da imprensa da cidade e da preservação dos materiais históricos, sejam no arquivo público municipal ou em coleções particulares, como a dos antigos herdeiros do jornal Cidade de Barbacena, que possuem todos os exemplares do periódico. Porém, é importante que haja uma preservação mais forte, por meio da digitalização dos periódicos, para que ocorra uma perpetuação dos dados. Os antigos jornais são retratos e fontes fidedignas de consulta de uma época progressista e de forte crescimento da cidade.

Nas fotos abaixo você pode conferir o registro do prédio do Jornal de Barbacena em 1930, onde funcionava também uma papelaria, uma livraria e uma oficina topográfica, localizava se na esquina da rua 13 de maio com a praça dos Andradas. Vemos um exemplar do jornal, a edição de número 217, data de 25/02/1926 com a matéria da nova Estação Ferroviária de Barbacena. Além de fotos do maquinário usado na impressão dos jornais, que atualmente se encontram no museu municipal.

Fotos: Guilherme Oliveira / Domínio público.

Registros de Barbacena
Registros de Barbacena

A coluna Registros de Barbacena é assinada por Guilherme Oliveira, um apaixonado pela memória e curiosidades da cidade. Aqui você confere um pouco dos registros da história de Barbacena e região.

Ver Publicações


Marcelo Miranda
Agencia Qu4tro