A Viagem mais curta

16/10/2020 09:37:00 - Atualizado em 16/10/2020 09:45:13

 

Por Marcos Faria.

Eu adoro dirigir! Mas confesso que o faze-lo na chuva é horrível. Eu não fico triste em dias de chuva, eu estava triste porque estava dirigindo de baixo de chuva. O frio do banco, o gelo do volante e aquela goteira do vidro que eu nunca lembro de mandar arrumar associado à visão nublada que eu tinha das pessoas e suas roupas tristes ...

Eu sei, difícil de entender, ou não. Mas aquele dia minha tristeza meio que sumiu num raio de sol, literalmente! Enquanto eu parava em um sinal vermelho.

A luz surgiu ao mesmo tempo que a chuva cessava e foi ai que aconteceu! Ela surgiu, com um guarda-chuva rosa, usando tons brancos e um cachecol vermelho. Não tinha como ignorar, era discrepante de tudo e todos que passavam na minha frente junto a ela na faixa de pedestres.

Loira, eu achei que tinha cara de Bárbara, sabe-se lá por que. “Baby” gosta de cores, portanto alegre.

Descolada para ser uma religiosa normal, Baby é mais espiritualista, curte a natureza e cristais. Eu que não acredito em nada, acho bonitinho e já gosto da camisa indiana que ela vai me dar.

Não sei como eu ia fazer com meus rocks progressivos levemente melancólicos, mas eu poderia escutar as músicas mais felizes que Baby gosta tranquilamente, eu não quero contamina-la, eu quero que ela me contamine com essa cor e energia que tem.

Os pais de Baby vão me achar muito sinistro, mas se ela está feliz, eles também vão estar.

Com nossos filhos, ia ser difícil, eu ia ser aquele pai ranzinza que no final das contas ia passar pano para bagunça e desautorizar a mãe, nossas brigas com certeza seriam por isso, Baby odeia ter que ser a má da história, pois ela está longe disso.

Não sei como vou pôr as coisas dela na minha casa, comprar um segundo guarda roupa? Um maior? Não! Eu sou minimalista, tenho quase nada, vai caber todas as nossas coisas ...

Vou ter que ajudá-la a tirar carteira de motorista, pois não quero ser o motorista da rodada, ai ela que vai dirigir quando eu tomar minhas cervejas. O que me lembra, tenho que arrumar essa goteira, Baby vai reclamar ...

Biiiii, Biiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!!!!!

O sinal abriu e eu estou aqui parado! Todo mundo passou e nem a vejo mais. Adeus moça com quem eu quase casei e nem sei o nome. Pelo menos o dia ficou mais colorido ...

Clube dos Literatos
Clube dos Literatos

Contos, crônicas, poemas, poesias, artigos, prosas… Não importa o gênero literário, o Clube dos Literatos recebe de páginas abertas conteúdos de qualidade e desenvolvidos por barbacenenses natos ou de coração. A ideia é proporcionar o desenvolvimento literário na cidade, dando a oportunidade do público conhecer o trabalho realizado pelos talentos de Barbacena e, também, incentivar a leitura e a criação literária.

Ver Publicações


Livro Rossi
Agencia Qu4tro